Versão de Janot sobre Gilmar Mendes apresenta contradições, diz site

A versão do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot de que foi armado ao Supremo Tribunal Federal (STF) para matar o ministro Gilmar Mendes possui contradições.

De acordo com o site Jota, Janot teria viajado para Belo Horizonte um dia antes do suposto fato, em 11 de maio de 2017, e retornado cinco dias depois.

O ex-procurador tinha compromissos profissionais e ainda teria feito uma palestra na Universidade Federal de Minas Gerais.

A Força Aérea, diz o site, confirma que recebeu ofício para uso de aeronave em compromisso oficial de Janot.

Ainda de acordo com o site, a ata do Supremo do dia mencionado por Janot mostra que quem representava a Procuradoria-Geral da República (PGR) na sessão era o subprocurador Bonifácio de Andrada.

O Salão Branco do STF – onde Janot diz que sacou a arma – é vigiado por câmeras e seguranças. Depois de revelar o plano contra Gilmar, o ex-PGR foi alvo de operação de busca e apreensão da Polícia Federal – a pedido do STF.

A arma de Janot foi apreendida, a posse suspensa e celulares e tablet recolhidos.