Um dia para ser esquecido pelo governador Flávio Dino

É inegável que a semana não começou bem para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), mas a quarta-feira (14) foi terrível para o comunista, principalmente para o seu projeto nacional de disputar a Presidência da República em 2022.

Cajueiro

Se já não bastasse todas as críticas já recebidas pelas atitudes tomadas no caso da comunidade do Cajueiro, a situação conseguiu piorar ainda mais, após excelente reportagem do jornalista Alex Barbosa e exibida no JMTV 2 da TV Mirante.

A reportagem confirmou que o Ministério Público Federal (MPF) e Estadual (MPMA) investigam irregularidades na área onde será instalado o Porto São Luís, localizado no Cajueiro. Está sendo investigado um suposto esquema de grilagem de terras.

O MPF apura a agilidade que o Governo do Maranhão teve em conceder a licença ambiental para a construção do porto. Segundo as investigações, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA) deu a licença antes de um parecer da Marinha do Brasil sobre os possíveis riscos da instalação do porto para o trafego de navios na Baía de São Marcos.

Para complicar ainda mais a situação do Governo Flávio Dino, documentos da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-MA) obtidos pelo JMTV2, a ordem para a reintegração de posse da área onde está localizada a comunidade Cajueiro só foi recebido na terça-feira (13), pouco antes das 16h. Os moradores estavam sendo retirados desde a segunda (12) pela manhã, mais de 24 horas antes da Polícia Militar ser notificada.

Estradas

Também na quarta-feira uma pesquisa CNT Confederação Nacional do Transporte (CNT) aponta que a maioria das rodovias do Maranhão estão em estado ruim, péssimo ou regular. Os dados analisaram mais de 4,6 mil quilômetros de extensões de vias estaduais e federais que cortam o estado.

O levantamento da CNT aponta que o estado possui somente 7,5% de rodovias em ótimo e 34,1% em bom estado. O relatório leva em consideração as condições de sinalização, pavimentação, geometria das vias e os pontos críticos. A pesquisa analisou 24 rodovias em 6.873 km de extensões pavimentadas no Maranhão, sendo deste total, 3.165 km de vias federais e 3.708 de rodovias estaduais, transitórias e municipais.

Por coincidência, no dia de divulgação desses números terríveis, tivemos duas manifestações interditando rodovias estaduais pelas suas péssimas condições. A primeira interditada foi a MA-026 – o trecho que liga o povoado KM 17 à sede do município de Codó – e a MA-006 – o trecho entre Grajaú e Fortaleza dos Nogueiras, passando por Formosa da Serra Negra.

Gastos com pessoal

Na mesma quarta-feira, o Bom Dia Brasil, da TV Globo, exibiu uma reportagem onde afirmava que, de acordo com informações do Tesouro Nacional, o Maranhão é um dos 12 Estados que conseguiu superar o limite permitido de 60% da receita corrente líquida em gastos com pessoal, incluindo ativos e aposentados.

Segundo o Tesouro, os estados que ultrapassaram o limite de 60% foram: Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Acre, Goiás, Piauí, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Rio de Janeiro e Maranhão.

Para piorar, o mesmo assunto foi matéria em março de 2015 no mesmo Bom Dia Brasil da TV Globo. Só que naquela oportunidade, com Flávio Dino como governador em apenas três meses, o Maranhão era um dos poucos Estados que respeitava a Lei de Responsabilidade Fiscal, estando com as despesas com pessoal no limite.

No entanto, quatro anos depois de Flávio Dino assumir o comando do Maranhão, os números mostram uma realidade totalmente diferente e comprovam a fracassada gestão comunista.

Um dia para o comunista esquecer…