Sem negociação


Favorecido por uma decisão da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís que proíbe a paralisação dos médicos da Rede Estadual de Saúde, o governador Flávio Dino (PCdoB) decidiu manter a sua postura de total falta de diálogo com a classe no Maranhão.

O CRM havia anunciado a paralisação no início da semana passada, com a justicativa de que o Governo do Estado não cumpriu um acordo que previa o pagamento de salários atrasados desde o mês de setembro.

Na ocasião do anúncio, o presidente do CRM, Abdon Murad, destacou que a categoria ainda esperava por um posicionamento do Governo ou uma nova negociação entre as partes. Mas, o governador Flávio Dino decidiu não ceder às pressões.

Por meio da Procuradoria do Estado, o comunista ingressou com uma ação na Justiça com pedido de censura ao
movimento grevista.

E obteve êxito.

A decisão do juiz Douglas de Melo Martins proíbe qualquer paralisação no setor de saúde do Estado. Os médicos, portanto, serão obrigados – mesmo com salários atrasados e sem acesso ao Palácio dos Leões para uma negociação – a cumprir as escalas regulares de trabalho.

O “Diálogos pelo Maranhão”, que teve até uma edição especial na ocasião da campanha comunista com os profissionais da medicina, ficou para trás.

Com Dino, vai ser nas barras da Justiça mesmo.

Censura

A proibição de realização de greve para os profissionais da Saúde tem por base uma decisão do juiz Douglas de Melo
Martins.

O magistrado acolheu uma ação com pedido de tutela de urgência ingressada pelo Estado do Maranhão.

Os médicos pretendiam iniciar uma paralisação amanhã [dia 4], em todas as unidades de saúde da rede estadual.