Revista Veja esconde Fernando Haddad em notícia sobre kit gay de seus arquivos

O site da Revista Veja resolveu editar uma notícia publicada em outubro de 2011, retirando o nome de Fernando Haddad da manchete e atribuindo à presidente Dilma a responsabilidade sobre o kit gay. Até alguns dias atrás, a nota estava sob a manchete “Kit Gay será reformulado e lançado até o fim do ano, diz Haddad”. O link da notícia ainda traz a manchete inicial:https://veja.abril.com.br/educacao/kit-gay-sera-reformulado-e-lancado-ate-fim-do-ano-diz-haddad/

Como nos últimos dias o Kit Gay ganhou relevância, mais pessoas começaram a acessar a notícia da VEJA. Ela servia para mostrar que o candidato petista mentia ao dizer que o Kit Gay nunca existiu e que ele nunca o propôs. Em muitos debates em redes sociais, o link da VEJA era exibido como prova da mentira. Foi então que às 19:31h do dia 13 de outubro a nota foi editada, ficando como se encontra agora:”Governo Dilma: ‘Kit gay’ será reformulado e lançado até fim do ano”. Vejam nas imagens a seguir:

A revista também mente em sua própria nota. Vejam o que está publicado:

Esta matéria, publicada em maio de 2011, foi atualizada no dia 13 de agosto de 2018 para a inclusão no título da expressão “Governo Dilma”

Na verdade, “governo Dilma” entrou em substituição a “diz Haddad”. Houve uma inclusão e uma exclusão.

Por muito tempo a revista VEJA foi vista como um veículo anti-petista. A falsificação de fotos antigas era uma prática muito comum no regime soviético, todos os que se tornavam inimigos ou eram executados pelo regime tinham seus rostos apagados de fotos antigas. A prática da revista da editora abril de mudar notícias ruins para Haddad é uma boa estratégia de aproximação: afinal de contas, foi Haddad quem afirmou que a diferença entre os fuzilamentos de Hitler e de Stálin se dava pelo fato de Stálin ler os livros antes de fuzilá-los.