PCdoB: o partido fascista dos violadores

O mês de julho entrará para a história como o mês em que o caráter fascista e criminoso do Partido Comunista do Brasil, o PCdoB, se tornou escancarado. Duas denúncias, uma no começo e outra no fim do mês, evidenciaram a obsessão pelo poder e o completo despudor na prática de crimes e no uso da máquina pública contra adversários. No centro dos escândalos a ex-presidenciável Manuela D’Ávila e o único governador da legenda, Flávio Dino.

O mês que desmascarou o fascismo comunista começou no dia 02 de julho com um depoimento na Comissão de Segurança e Combate ao Crime Organizado, da Câmara Federal. Os delegados de polícia Tiago Bardal e Ney Anderson expuseram de forma contundente uma rede de monitoramento utilizada para espionar adversários e até mesmo aliados do governador Flávio Dino.

Os policiais relataram que a mando do secretário Jefferson Portela, membro do PCdoB assim como Manoel a e Flávio Dino, fazia rotineiramente uso da chamada “barriga de aluguel”. Uma prática que consiste em inserir números de desafetos, adversários e aliados em pedidos de escuta autorizados pela Justiça. Pessoas que não tinham relação direita e nem indireta com o objeto da investigação.

Os policiais deram datas, números, procedimentos e nomes dos envolvidos. A riqueza de detalhes e a confiança dos depoentes expunha o véu vermelho do fascismo que hoje encobre o Maranhão.

No dia 27 de julho, o Brasil tomou conhecimento de que o criminoso virtual Walter Delgatti Neto, conhecido como “Vermelho” dono de uma ficha corrida vasta de crimes e apontado como responsável pela maior operação clandestina de espionagem do Brasil contou com a ajuda da comunista Manuela D’Ávila. A ex-presidenciável e “rosto da renovação comunista na política brasileira” fez a ponte entre o grupo criminoso chefiado por “Vermelho” e o jornalista Glenn Greenwald.

Manu teve participação direta em uma operação que pretendia jogar no lixo a ordem pública e enfiar o Brasil no caos político.
Entre o estupro figurado de Flávio Dino e de Manu, tivemos um caso de violação literal por membro do Partido Comunista do Brasil. José Hilson Paiva, médico e prefeito de Uruburetama no Ceará, foi acusado por mais de 20 mulheres por estupro.


Seja no que diz respeito a mulheres indefesas ou das garantias individuais, no sentindo conotativa e denotativo, o mês de julho deixou claro que o PCdoB é um partido que flerta com o estupro.