Moro atribuiu redução nas mortes violentas ao governo Bolsonaro

A redução no número de mortes violentas no Brasil foi atribuída, pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, a esforços de governos locais e do presidente Jair Bolsonaro.

O ministro citou recordes de apreensão de drogas e transferência de chefes de facções criminosas para presídios federais como medidas que surtiram efeitos nos índices de criminalidade.

O ex-juiz da Lava Jato também afirmou que o governo está com uma política de tentar retomar o controle de vários presídios do país.

“Apesar da redução, vamos reconhecer: os números ainda são altos. Precisamos melhorar muito mais”, disse Moro.

Questionado se a queda no número de homicídios no 1º semestre deste ano poderia ser explicada por uma trégua entre facções criminosas, Moro respondeu que acomodação é um tanto quanto questionável.

“Tivemos por exemplo neste ano dois massacres em presídios estaduais, um no Amazonas e um no Pará, que envolviam conflitos entre facções criminosas. Não sei se existe, de fato, essa acomodação e essa trégua. O que existe é uma política mais dura do governo federal.”

Um levantamento divulgado neste domingo (01), aponta uma queda de 22% no número de mortes violentas no país neste primeiro semestre do governo Bolsonaro, quando comparado ao mesmo período do ano passado.