Moro afirma que não vai se afastar do cargo

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou em entrevista ao jornalista Fausto Macedo, publicada na noite desta quinta-feira (13), que não vai se afastar do cargo.

O ex-juiz da Operação Lava Jato apontou um viés político-partidário na divulgação das mensagens obtidas ilegalmente do Telegram do coordenador da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol.

Durante quase uma hora de conversa em seu gabinete em Brasília, Moro descartou impactos do caso para o governo Jair Bolsonaro e para o pacote anticrime.

Confira abaixo algumas das principais declarações de Moro na entrevista:

Ataque cibernético

“Fui vítima de uma ataque criminoso de hackers. Clonaram meu telefone, tentaram obter dados dos meu aparelho celular, de aplicativos. Até onde tenho conhecimento, não foram obtidos dados. Mas os procuradores foram vítimas de hackers e agora está havendo essa divulgação indevida. Estou absolutamente tranquilo em relação à natureza nas minhas comunicações.”

Diálogo com procuradores

“O que tem que se entender é que esses aplicativos de mensagens, eles apenas aceleram a comunicação. Isso do juiz receber procuradores, delegados, conversar com delegado, juiz receber advogados, receber demanda de advogados, acontece o tempo todo.

Essa interlocução é muito comum. Sei que tem outros países que têm práticas mais restritas, mas a tradição jurídica brasileira não impede o contato pessoal e essas conversas entre juízes, advogados, delegados e procuradores.”

Triplex de Lula

“Foi um caso decidido com absoluta imparcialidade com base nas provas, sem qualquer espécie de direcionamento, aconselhamento ou coisa que o valha.”

Sensacionalismo

“Acho que há muito sensacionalismo e falta uma análise mais cautelosa. Se formos analisar o que saiu não vi nada demais. Embora, como disse, não tenha condições de reconhecer a autenticidade daquilo. E não se sabe que tipo de adulteração pode vir aí em relação a isso.”

Afastamento do cargo

“Não, eu me afastaria se houvesse uma situação que levasse à conclusão de que tenha havido um comportamento impróprio da minha parte. Acho que é o contrário. Agora estou em uma outra situação, estou como ministro da Justiça, não mais como juiz, mas tudo o que eu fiz naquele período foi resultado de um trabalho difícil.”

Apoio de Bolsonaro

“O presidente reconhece e já deu demonstrações públicas nesse sentido de que não se vislumbra uma anormalidade que se coloque em xeque a minha honestidade.”