Fronteira do Brasil com Venezuela tem novos confrontos

Militares apoiadores do ditador Nicolás Maduro voltaram a atacar manifestantes do lado brasileiro da fronteira neste domingo, 24, na cidade de Pacaraima (RR). Por volta das 12h30, a Guarda Nacional Bolivariana, que estava equipada com tropa de choque em posição de ataque e dois veículos blindados, atiraram bombas de gás lacrimogêneo. O confronto persistiu por quase duas horas.

O coronel Georges Kanaan, coordenador-adjunto da Operação Acolhida, foi o responsável pelo momento de trégua, que se dirigiu ao lado venezuelano para pedir aos militares que parassem com os ataques. Do lado brasileiro, os militares brasileiros solicitaram que os manifestantes que se afastassem para evitar mais casos de violência e prepararam um cordão de isolamento para evitar novos confrontos.

O confronto deu início, quando um grupo de venezuelanos mascarados em Pacaraima atirou pedras, fez barricadas e queimou imagens do ex-presidente Hugo Chávez nas proximidades de um grupo de militares chavistas que faz a segurança da divisa. Os venezuelanos querem a reabertura da fronteira para que a ajuda enviada pelo Brasil e pelos Estados Unidos possa chegar ao país.