Marun avisa: governo só toca reformas se Alckmin ou Meirelles forem eleitos


Poder 360 – “A verdade é que as questões congressuais serão realmente afetadas pela eleição presidencial”, disse nesta 3ª (21.ago.2018) ao Poder360 o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

Por exemplo: se Geraldo Alckmin (PSDB) ou Henrique Meirelles (MDB) não forem eleitos, Marun afirma que o presidente Michel Temer deverá desistir das reformas.

“Só tentaremos avançar nas reformas, especialmente a da Previdência, se for vencedor nas eleições 1 projeto reformista”, diz. Perguntado sobre quem tocaria esse projeto, ele é direto: “Por enquanto, vejo Alckmin e Meirelles”.

E O GOVERNO, NAS ELEIÇÕES?

“Não tenho análise dos partidos que compõem o governo. Mas, segundo as pesquisas, o MDB está na liderança em 5 Estados: José Ivo Sartori (RS), Mauro Mariani (SC), Paulo Skaf (SP), José Maranhão (PB) e Helder Barabalho (PA). E temos candidatos competitivos em mais 6.”

Marun acrescenta: “Isso se deve o fato de que aquela conspiração asquerosa da JBS atingiu o presidente mas não atingiu o partido como 1 todo. Foi graças ao fato de termos bons quadros. E também aos serviços prestados pelo MDB à população”.

A declaração do ministro é mais uma manifestação de afeto e proximidade do governo em direção a aliados que tentam camuflar a proximidade com o Planalto. É o caso do PSDB de Geraldo Alckmin. E dos que compõem a chapa com o tucano, como o Centrão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O recado vale também para peemedebistas que preferem fazer campanha junto ao PT do ex-presidente Lula –caso do presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE).

Os auxiliares do presidente da República tentarão mais e mais mostrar que ele pode estar fraco para produzir algo de positivo, mas ainda tem seu poder de destruição.

Com taxa de rejeição em torno dos 80%, basta o presidente apontar o dedo que os candidatos tremem com medo da contaminação. Foi o que aconteceu quando declarou que Alckmin pode ser seu candidato.