Imóveis fechados já custaram quase R$ 2 milhões ao governo Flávio Dino

O governo Flávio Dino (PCdoB) já pagou, desde 2015, quase R$ 2 milhões em aluguéis por prédios fechados em São Luís.

Os valores referem-se a três contratos, dois da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac) – órgão vinculado à Secretaria
de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop) – e um da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

No caso da SES, o imóvel é o da Clínica Eldorado, pelo qual o Executivo já pagou R$ 990 mil em aluguéis antes mesmo do seu funcionamento. São R$ 90 mil por mês – e o local ainda passa por uma reforma, bancada pelo Estado, que custou R$ 900 mil. O caso foi revelado pela deputada estadual Andrea Murad (PMDB).

Na Funac, os gastos com prédios fechados foram descobertos em janeiro deste ano pela reportagem de O Estado. Na ocasião, revelou-se que a fundação estava pagando, desde agosto de 2015, R$ 9,5 mil líquidos por mês pelo aluguel de um imóvel na Aurora, onde hoje funciona um anexo do Centro de Juventude Canaã.

No total, antes da efetiva instalação da unidade, o Estado pagou mais de R$ 170 mil.

O segundo contrato do órgão em condições parecidas foi assinado com a L.D.A Comércio de Gêneros Alimentícios Ltda, também em agosto de 2015. Por ele, o estado começou a pagar, desde então, aluguel mensal de R$ 45 mil, para ocupar um prédio onde funcionaria a nova sede da Delegacia do Adolescente Infrator (DAI), na Rua das Cajazeiras.

Segundo dados do Portal da Transparência do Governo do Estado, foram pagas, até o dia 26 de dezembro de 2016, 16 parcelas de igual valor, totalizando R$ 720 mil pelo aluguel de um imóvel em que só passou a ser ocupado, efetivamente, em janeiro de 2017, e ainda em obras.

Camaradas – Nos três casos, há ainda uma segunda coincidência além do fato de o governo Flávio Dino pagar aluguéis por imóveis fechados: todos os contratos foram firmados com pessoas ou empresas que têm alguma relação com a gestão comunista – o que acabou rendendo aos contratos a alcunha de “aluguéis camaradas”.

O prédio da Aurora, por exemplo, pertence a Jean Carlos Oliveira, membro do PCdoB e ex-colaborador da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) – Ele foi exonerado após a revelação do escândalo, mas o contrato de locação foi mantido. O local funcionou até como comitê de campanha de candidato do partido na eleição de 2014.

Já a L.D.A Comércio de Gêneros Alimentícios Ltda – que aluga o prédio da Rua das Cajazeiras – pertence a um parente do presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Humberto Coutinho (PDT). E a Clínica Eldorado, que já rendeu aluguel de R$ 990 mil, pertence a uma irmã da chefe da Assessoria Jurídica Contenciosa da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

MAIS

Aluguéis de imóveis fechados

R$ 990 mil pela Clínica Eldorado

R$ 720 mil por prédio nas Cajazeiras

R$ 170 mil por imóvel na Aurora

“Dinheiro do Estado é para os camaradas”, diz Edilázio.

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) criticou ontem, na Assembleia Legislativa, o discurso do governador Flávio Dino (PCdoB) de que o Estado passa por grave dificuldade financeira.

O parlamentar lembrou que a gestão passada deixou, em 2014, o Estado com as contas equilibradas e em respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e enfatizou que Dino tem elevado gastos com jatinhos e helicópteros, alugueis de prédios particulares e com a propaganda.

“Ontem eu, assistindo a Globo News, pude ver o Ministério Público do Rio de Janeiro investigando o contrato, R$ 2,5 milhões do avião, gastos pelo governador Pezão naquele estado. Um Estado que vem enfrentando uma grave crise financeira. Nós estamos falando de R$ 2,5 milhões, e o Ministério Público já está adotando as providências. Aqui no Maranhão o governador me faz uma licitação de R$ 7,7 milhões para gastos com avião que não pode voar. E aí eu quero e espero que o Ministério Público também possa enxergar e ter como exemplo o do Rio de Janeiro e investigue esse contrato”, disse.

Ele lembrou da declaração dada pelo governador Flávio Dino à imprensa de que o estado está com dificuldade financeira e cobrou transparência.

“Ontem eu assisti ao jornal da Mirante e fiquei impressionado. Ele [Flávio Dino] só falando que Deus proverá, que o dinheiro do Estado Deus proverá. Mas Deus proveu e muito para a Secretaria do secretário Márcio Jerry. Para lá foram R$ 9 milhões agora para investir em propaganda. Mas não tem dinheiro para Saúde, a Escola Digna é uma fraude. Mas tem dinheiro para pagar 90 mil por mês de clínica fechada. Tem dinheiro para empregar ficha suja. Tem dinheiro para tudo, basta ter prioridades”, completou.

Edilázio enfatizou que o Governo do Maranhão tem servido como uma espécie de abrigo financeiro para filiados ao PCdoB no estado.

“Hoje quem chega à porta do Palácio dos Leões com uma camiseta vermelha, uma bandeira da Venezuela, está empregado. Na Casa Civil e na Secretaria de Comunicação é só comunista empregado. Emprega ficha suja, emprega quem quer que seja. Mas tem que ter o seu contracheque”, disse.

“Então, governador, dê prioridade para a saúde, para a educação, para segurança, para a infraestrutura. Diminua os gastos com seus aviões que sequer podem voar, diminua os gastos com a Secretaria de Comunicação que só agora vossa excelência passou mais R$ 9 milhões ao secretário Márcio Jerry. Dê prioridade aos maranhenses, só depois dê prioridade às suas luxúrias”, finalizou.