A idiotice esquerdopata reivindica o Centro de Lançamento de Alcântara

A marcha dos infames.

Imaginem vocês que em um belo uma delegação comandada por Zinedine Zidane desembarcasse em São Luís. Imaginem que essa delegação estivesse à serviço do todo poderoso Real Madrid e que procurasse o Sampaio Correa de Sérgio Frota com a seguinte proposta: o uso compartilhado do Centro de Treinamento do Sampaio por uma troca de experiências futebolísticas e parcerias no esporte. Aí imaginem que Sérgio Frota negasse a parceria afirmando que o “imperialismo” não iria se apossar do Sampaio. Seria chamado de louco, certo? Certo!

Pois algo muito semelhante a isso acontece hoje em Alcântara. Na manhã desta terça-feira um grupelho de dezenas de desocupados interditou a via de acesso ao Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). Pedem a saída do presidente Michel Temer (?) e exigindo que o CLA seja “dos brasileiros”.

Entenda; acontece que em maio deste ano o Governo Federal anunciou a possibilidade de uma parceria entre Brasil e EUA para o compartilhamento de tecnologias e uso compartilhado do CLA.

Tecnologia aeroespacial requer bilhões de investimento, dinheiro que o Brasil não tem. Tecnologia aeroespacial demanda mão-de-obra altissimamente qualificada, coisa escassa no Brasil. Tecnologia aeroespacial necessita de décadas de desenvolvimento, tempo que o Brasil poderia economizar.

Imaginem vocês, meus caros e caríssimas leitoras, se Michel Temer baixa um decreto e destina bilhões de reais para a produção de foguetes no Brasil? Ou se decide retirar dinheiro da saúde para custear a viagem do primeiro astronauta brasileiro para a Lua? Seria loucura, certo? Certo!

Entre a turva de brancos que se autointitulam quilombolas, alguns dos “manifestantes” usavam máscaras. Fica a pergunta: quem eles queriam assaltar ali no meio do nada?

A única forma de desenvolver o pífio programa aeroespacial brasileiro é por meio de parcerias. E o melhor parceiro que se pode ter em algum segmento é o líder neste segmento. Mesmo que os norte-americanos compartilhem menos de 5% do que possuem, isso já irá representar um avanço brutal para a sociedade brasileira.

Ao contrário do que dizem as placas desses mentecaptos que tumultuam Alcântara, eles não querem que o CLA seja dos brasileiros. Estão lutando para que o lugar se torne mais um vibrador destinado a saciar essa tara ideológica de ignorantes metidos a sabichões.

Benefício ao povo brasileiro aquele centro trará sendo usado para alavancar nossas tecnologias ao custo mais baixo possível. E isso só será alcançado com parcerias, e não servindo de acampamento para esse seminário de masturbação mental desses panacas.

A bem da verdade a maioria desses meninos e meninas que ocupam a via de acesso ao CLA são bobalhões comandados por meia-dúzia de ideias fracassadas e completamente alheias à realidade dos fatos. No fundo dá até pena…