Guanabara está sendo acusada em manter seus funcionários em alojamentos insalubres

A empresa Expresso Guanabara está sendo denunciada em manter seus funcionários em alojamentos insalubres. A denúncia está sendo transmitida pelos aplicativos de conversa através de um logo texto com bastantes detalhes e acompanhado de imagens.

O texto cita os nomes de Jacob Barata Pai, Jacob Barata filho e da Senhora Raquel Barata, para que os citados tomem providencias. Os alojamentos citados são os da cidade de Zé Doca no Maranhão e os da cidade de Parnaíba e Teresina, ambas localizada no estado do Piauí. Alega ainda que os alojamentos estão amontoados de cama e quase sem espaço para locomoção.

Alegam também que o maior descaso é o setor localizado na cidade de Santa Inês – Ma. O texto afirma que os trabalhadores têm que se deslocar para Zé Doca (cerca de 70 km) para pegar os ônibus que partem de Belém com destinos diversos. Essa decisão está sendo feita por determinação do Senhor George, afirma o texto. O texto ainda afirma que antigamente a troca era feita no mesmo setor.

O texto também denuncia a respeito da alimentação dos trabalhadores, afirma que quem fornece a alimentação são as churrascarias, como uma forma de gratificação pelas elevadas quantidade de passageiros que desce nos ônibus, e não a empresa de transporte que banca a alimentação dos funcionários.

O(s) autor(es) do texto solicita(m) que o Ministério Público do Trabalho venha a fiscalizar os alojamentos e as jornadas excessivas de trabalho.

O texto encerra alegando que essas políticas administrativas são criação do Senhor George Tavares, que era gerente do Maranhão e agora está em Fortaleza como gerente operacional. Alegam que George Tavares que em vez de investir em acomodações dignas para os motoristas arquitetou investimento milionário com instalações de câmera de vigilância para monitoramento dos motoristas.