Greve de fome contra Reforma da Previdência é fachada. Manifestantes têm dormido em casa

Há cerca de uma semana um grupo de pessoas ganhou atenção do noticiário por anunciar uma “greve de fome” contra a aprovação da reforma da Previdência. Conseguiram espaço reservado pela Câmara para colocarem seus colchões e colchonetes, viraram alvo de fotos e vídeos publicados nas redes sociais e compartilhados pelo WhatsApp. Até o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi conversar.

Apesar do apelo midiático, servidores denunciam que a tal “greve de fome” é apenas para as câmeras. “Todos vão embora para casa”, diz um funcionário. O Diário do Poder recebeu imagens mostrando que nenhum deles estava por lá nesta quinta de manhã. As camas, todas bem feitas e arrumadas, não tinham vestígios de que foram usadas durante a noite. “Os colchões são só para deitar e descansar”, denuncia outro servidor.

Além do espaço para a “manifestação” os grevistas têm tido acompanhamento médico com aferição de pressão e do índice glicêmico, mas tudo continua dentro da normalidade até agora.

A informação é do site Política na Rede.