Funcionária do Isec revela suposto esquema na gestão de Edivaldo Holanda Júnior

holandinha

Uma funcionária do Instituto Superior de Educação Continuada – ISEC, identificada como Diana Nunes, revelou o suposto esquema de corrupção arquitetado e executado pela Prefeitura de São Luís, que é comandada por Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que é acusado de desviar R$ 33 milhões.

Segundo a servidora, as contratações feitas pelo ISEC foram indicações de vereadores da base aliada do governo de Holanda Júnior.

“Nós e todos os outros que estão nessa situação foram indicações. Uns de vereadores, outros de secretários”, declarou.

Diana participou de um treinamento promovido pelo ISEC, mas nunca foi chamada para trabalhar. No entanto, recebeu pagamentos de quase R$ 2 mil durante três meses.

“Fomos chamados para assinar o contrato la na Semgop [Secretaria Municipal Extraordinária de Governança Solidária e Orçamento Participativo – SEMGOP] e a partir de então disseram que íamos ser chamados para fazer um curso de capacitação, após esse período, afirmaram que iam nos encaminhar para as comunidades, no entanto não fomos para lugar algum.” revelou, Diana.

A funcionária ressaltou que os contratados se dirigiam até a Secretaria para assinar o ponto. “Íamos na Semgop assinar os pontos entre os dias 15 e 18 e assinávamos a folha do mês inteiro.”

Outro servidor, que não quis se identificar, afirmou que eles foram contratados para serem representantes de vereadores e secretários nas comunidades. “Nós somos lideranças comunitárias, nós temos um trabalho voltado para dentro da comunidade para ajudar os nossos vereadores e alguns secretários que contrataram a gente”, detalhou o funcionário.

O suposto esquema de R$ 33 milhões foi feito por meio da Secretaria Municipal Extraordinária de Governança Solidária e Orçamento Participativo – SEMGOP, que por sua vez contratou o ISEC para intermediar as contratações das pessoas indicadas por vereadores e secretários do governo de Edivaldo Holanda Júnior.

O desvio já foi denunciado ao Ministério Público, que já está investigado o caso.