Força-tarefa anuncia desligamento de procurador

O procurador da República, Diogo Castor, deixou a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba. Ele fazia parte da Lava Jato desde o início dos trabalhos, em março de 2014.

“O procurador da República Diogo Castor de Mattos solicitou seu desligamento dos trabalhos da força-tarefa Lava Jato em Curitiba. A força-tarefa agradece a Diogo Castor pelos cinco anos em que se dedicou, com excepcional esforço, às investigações da Lava Jato”, diz a nota divulgada pelo MPF.

Procurador Diogo Castor

No último dia 13 de março, durante julgamento em que o STF decidiu que cabe à Justiça Eleitoral processar crimes como corrupção quando há ligação com delito eleitoral, o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, anunciou que faria uma representação contra Castor por suposto “ataque à justiça eleitoral”.

“Se os ataques que foram colocados na tribuna (procedem), vou checar, farei e anuncio uma representação ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e à corregedoria do Ministério Público Federal em razão desses ataques do procurador à justiça eleitoral. Não é admissível este tipo de ilação”, disse Dias Toffoli à época.

O Ministério Público atribui o desligamento do procurador a “motivos de saúde”.