Flávio Dino usa máquina governamental para censurar coronel reformado

Nos últimos meses, milhares de pessoas foram às redes sociais criticar o rombo de R$ 1 bilhão no Fundo de Pensão e Aposentadorias (FEPA), contra um programa do governo do estado que concedia bolsas a presidiários e o escândalo envolvendo viaturas alugadas de uma empresa ligadas à ex-senadora Vanessa Graziotin.

Entre as milhares de pessoas que protestaram e protestam contra o governo comunista de Flávio Dino está o coronel reformado do Exército José Monteiro.

Pois bem, com base no inquérito policialesco de nº 4781/DF, aberto pelo ex-petista e agora presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, usado para censurar matérias jornalísticas e que já foi decidido pelo arquivamento pela PGR, Flávio Dino acionou a máquina do governo do estado para tentar calar o Coronel Monteiro.

No dia 01 de julho de 2019, a Procuradoria do Estado do Maranhão ajuizou “AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER, DE NÃO FAZER E DE INDENIZAÇÃO COM PEDIDO DE TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA ANTECIPADA”, de nº 0826473-70.2019.8.10.0001, e que foi distribuída para a 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de São Luís do Maranhão, contra o Coronel Monteiro, atual Superintendente de Coordenação e Governança do Patrimônio da União no Maranhão.

A motivação da ação são três publicações do coronel sobre os assuntos acima citados. Segundo a Procuradoria Geral do Estado do Maranhão, as publicações de Monteiro teriam atentado profundamente contra a honra objetiva e a imagem do Estado.


No pedido liminar, o Estado do Maranhão pede que as publicações de Monteiro sejam apagadas e que o militar seja proibido de CRITICAR O GOVERNO DE FLÁVIO DINO POR TODO O SEMPRE.

Na ação consta que quatro secretarias: SSP, SEAP, SECAP e IPREV foram instatam a investigar as redes sociais do Coronel Monteiro.

Por mais ridícula que pareça a ação, o Juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública concedeu a liminar para que o Coronel Monteiro removesse os links citados na inicial no prazo de 24 horas. Pelo menos foi negado o pedido de que o réu fosse obrigado a não se pronunciar sobre o Estado do Maranhão.

Esse é o governo do Maranhão: inconformado em usar a máquina jurídica para processar uma pessoa, coloca três secretarias para investigarem redes sociais.

Veja a ação de censura contra Coronel Monteiro