Flávio Dino fecha ciclo de renovação na política ou “eu avisei vocês”

Meses atrás escrevi aqui sobre um plano do Palácio dos Leões que visava renovar ainda mais a política maranhense. Na ocasião cheguei a comentar com o deputado estadual Sérgio Frota sobre a situação. Ele é testemunha do que digo. Vamos aos fatos…

No último domingo dezenas de aliados do governo foram derrotados nas urnas. O próprio Sérgio Frota, o qual me refiro, foi uma das vítimas do plano. Que também conta com outros nomes como Edivaldo Holanda, Fábio Braga, Raimundo Cutrim, Junior Verde, Levi Pontes, Rogério Cafeteira e outros.

Políticos que foram abandonados pelo meio do caminho, que acreditavam fazer parte do projeto de poder comunista e hoje amargam o gosto da derrota. Tenho plena convicção de que todos eles, em menor ou maior escala, sabem que foram vítimas de um plano que visava lhes tirar o mandato.

Ocorre que o suporte no Legislativo deveria ter sido retribuído com suporte nas eleições. Isso é política! Os parlamentares cumpriram sua parte do trato e concederam a Flávio Dino uma legislatura amistosa. E toda essa calmaria foi recompensada com desamparo.

No lugar desses deputados surgiram calouros, que no início das eleições foram tratados como inofensivos, como Duarte Jr e Yglésio Moises. Personagens que sozinhos não iriam representar risco. Mas… eles não estavam sozinhos.

Os calouros inofensivos tomaram as vagas dos gigantes. E só há uma explicação para isso: contaram com a ajuda do governo.

O fato é que Flávio Dino finalizou em 2018 o ciclo de renovação política que iniciou em 2014. Tanto na Assembleia Legislativa quanto no Senado Federal. E nisso, não há como negar, há um grandioso mérito dele e demérito dos que ficaram sem mandato.