Entre salvar a Previdência e salvar o próprio mandato, parece que Temer já fez sua escolha

A informação é de Andréia Sadi, repórter da Globonews.

Já falamos aqui que as chances de Michel Temer sofrer impeachment são muito remotas, já que para ser afastado ele precisaria ter MENOS de um terço das duas casas legislativas. Atualmente, ele tem maioria, e mesmo perdendo alguns apoios mais volúveis, dificilmente atingiria esse piso.

Porém, e há sempre um porém aí, a coisa pode ficar feia.

Isso porque, segundo informa a repórter Andréia Sadi, da Globonews, as pressões pela desistência de seguir adiante com a Reforma da Previdência seguem cada vez maiores, especialmente considerando a proximidade das eleições legislativas – afinal, parlamentares sabem que gerará desgaste, embora no fim seja o melhor para o país.

E mais desgaste ainda haveria no “abafa” ao impeachment de Temer. Então, a situação ficou entre um ou outro. Os dois de uma vez passariam da conta.

O Planalto, ainda segundo a repórter, teria escolhido salvar o mandato presidencial, em vez de apostar na reforma previdenciária – com isso, ainda por cima acaba minando algumas resistências mais à esquerda.