Economia chinesa entra em desaceleração

Pela primeira vez em três décadas a China vem demonstrando queda na economia. Analistas do mercado financeiro apontam previsões de crescimento entre os 6 e 6,5% para 2019, número abaixo dos 6,5% alcançados no ano passado.

Entre os fatores que contribuem para a desaceleração, está a queda da procura interna que se agravou devido à ameaça de uma disputa comercial com os Estados Unidos. O governo Trump pode elevar tarifas sobre mais de US$ 250 bilhões de dólares de exportações chinesas. O Governo chinês promete retaliar à altura.

“A escalada da guerra comercial também foi fundamental para minar a confiança dos consumidores e das empresas”, afirma Diana Choyleva, economista-chefe da Enodo Economics, consultoria especializada em China.

O Governo chinês pretende aplicar um pacote econômico para aumentar os investimentos em infraestrutura e diminuir a carga tributária.

“A análise extensiva da situação, dentro e fora da China, mostra que promover o crescimento este ano significa mais riscos e desafios assim como um ambiente de negócios mais complicado sejam os riscos previsíveis ou não. Devemos estar preparados para um período difícil”, disse o primeiro-ministro Li Keqiang durante o discurso na abertura do parlamento.