Dono da Gol cita Rodrigo Maia em delação premiada

O empresário Henrique Constantino, um dos donos da companhia aérea Gol, citou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em delação premiada fechada com o Ministério Público Federal (MPF) e homologada no dia 16 de abril pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da Justiça Federal do Distrito Federal. A decisão do magistrado foi publicada apenas nesta segunda-feira (13).

Constantino concluiu o acordo de colaboração depois de se tornar réu em uma ação penal aberta a partir das investigações da Operação Cui Bono, que apura um esquema de corrupção na Caixa Econômica Federal.

Maia é citado no Anexo 7, que trata de “benefício financeiro a parlamentares ou ex-parlamentares” por meio da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), sem maiores detalhes.

Além do presidente da Câmara, outros políticos incluídos no mesmo anexo:

  • Senador Ciro Nogueira (PP-PI);
  • Ex-senador Romero Jucá (MDB-RR);
  • Ex-deputado Marco Maia (PT-RS);
  • Ex-deputado Edinho Araújo (MDB-SP);
  • Ex-deputado Vicente Cândido (PT-SP);
  • Ex-deputado Otávio Leite (PSDB-RJ).

Os relatos de Henrique Constantino também tratam de pagamentos a outro grupo político:

  • Ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ);
  • Ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA);
  • Lobista Lúcio Bolonha Funaro, este também delator.

Segundo Constantino, o dinheiro destinado aos emedebistas era “contrapartida” a medidas legislativas do Congresso Nacional, da Câmara Legislativa do Distrito Federal, além de financiamentos junto do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS).