Dinheiro de propina foi usada para custear campanha de Beto Richa, diz delator

Nelson Leal Júnior, ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná (DER-PR), em depoimento feito à Operação Lava Jato, descreveu três pedidos de propinas, em 2014 e 2015, ao então presidente da Econorte, Helio Ogama. O ex-dirigente do DER apontou que cerca de R$ 220 mil da Econorte foram repassados para a campanha de Beto Richa (PSDB) e para um congresso em Foz do Iguaçu.

Nelson Júnior, declarou que no de 2014 ocorreu a ‘primeira solicitação’ envolvendo a Econorte.  Disse ainda que Pepe Richa e Mounir Chaowiche, ambos coordenadores da campanha de Beto Richa ao Governo do Estado o enviaram aos municípios de Paranavaí e Umuarama, no interior do Estado para fazer campanha pelo tucano.

Nelson leal Júnior relatou que “José Richa Filho orientou o colaborador a procurar alguma empresa que tivesse contrato com o DER para que ela arcasse com as despesas inerentes ao deslocamento e realização da campanha”.

Segundo o ex-diretor do DER, procurou o então presidente da Econorte, que na época era Helio Ogama, solicitou o valor de R$ 80 mil e que o pedido foi aceito. O valor foi entregue por Helio Ogama na sala do colaborador no DER.

A ‘segunda solicitação’ teve o envolvimento do deputado Guto Silva. O delator disse que no ano de 2014, entregou em mãos o montante de R$ 100 mil ao deputado. Guto Silva, assumiu no início do ano a secretária da Casa Civil do governador Ratinho Júnior (PSD), no Paraná.

Já a ‘terceira solicitação’, ocorreu em 2015. Nelson Júnior disse que Abder (Associação Brasileira dos Departamentos de Estradas de Rodagem) fez um congresso na cidade de Foz do Iguaçu’. Para custear as despesas do evento, “o colaborador solicitou o valor de R$ 100 mil para Helio Ogama, então presidente da Econorte; que Helio Ogama disse que iria ver como poderia ‘ajudar’ o colaborador”, afirmou.