DEM oficializa apoio a Geraldo Alckmin e Centrão indica nomes para vice

Poder 360 – O DEM oficializou nesta 5ª feira (2.ago.2018) seu apoio a Geraldo Alckmin (PSDB) na disputa pela Presidência da República. É o 3º partido do Centrão –grupo formado por DEM, PP, PRB, PR e Solidariedade– a ratificar a aliança em convenção nacional.

Segundo o presidente do DEM, ACM Neto, as 5 siglas repassaram os nomes sobre os quais há consenso para que Geraldo Alckmin selecione quem será seu vice na chapa: a senadora Ana Amélia (PP) e a vice-governadora do Piauí, Margarete Coelho. O tucano deve tomar uma decisão até sábado (4.jul), mas, segundo o prefeito de Salvador, há a possibilidade de o nome do vice deve ser anunciado nas próximas horas.

“É claro que todos os que tinham o sonho de ter o nosso apoio nos criticam. Fico lendo as mensagens que alguns pré-candidatos me mandam e fico rindo”, disse Rodrigo Maia. “Queriam nosso apoio e hoje nos criticam. Mas é da democracia, qualquer coisa pode ser dita, mesmo que não seja verdade”, disse Maia, sem citar nomes.

Na convenção, realizada em 1 hotel em Brasília, Alckmin afirmou que o apoio do DEM indicou “coerência ideológica” do partido. As siglas são aliadas historicamente e têm afinidades ideológicas, como na política econômica liberal.

O apoio do DEM vem após as intensas discussões do Centrão, grupo de 5 partidos com representatividade significativa no Congresso que se uniram para apoiar 1 candidato único.

Ontem (1º.ago), o PRB também oficializou seu apoio ao tucano e deixou claro que a aliança impõe a necessidade de o PSDB, caso eleito, mantenha os partidos do Centrão no centro das negociações de seu governo. Ainda na tarde de hoje, o PP também oficializará a aliança.

ACM Neto foi 1 dos fiadores do apoio a Alckmin. Rodrigo Maia era reticente por questionar as chances de sucesso do tucano no pleito. Durante as discussões com o Centrão, Maia chegou a ponderar sobre o nome de Ciro Gomes (PDT) para o grupo. O nome dividiu os demistas. Parcela significativa da legenda avalia Ciro como radical e de difícil diálogo.

O acordo também define que o PSDB e os partidos do Centrão apoiarão a reeleição de Rodrigo Maia para a presidência da Câmara.