Dallagnol tentou colocar irmão de Flávio Dino na chefia da PGR

Nova reportagem do The Intercept afirma que o procurador Deltan Dallagnol havia planejado usar movimentos sociais para pressionar o então presidente Michel Temer (MDB) a nomear o procurador Nicolao Dino, irmão do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), como novo procurador-Geral da República, em substituição a Rodrigo Janot. A articulação, contudo, acabou não dando certo, e Temer escolheu Raquel Dodge.

Segundo o The Intercept, o plano não chegou a ser posto em prática por falta de tempo. Em 27 de junho de 2017, como diz a reportagem, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) anunciou a lista tríplice com os nomes sugeridos pela instituição para substituir Janot, que deixaria o cargo em setembro daquele ano. Os procuradores mais votados pelos pares foram, por ordem, Nicolao Dino, Raquel Dodge e Mario Bonsaglia. Legalmente, a escolha do presidente da República é livre. Ele não é obrigado a indicar o vencedor da eleição ou qualquer um dos indicados da lista.

Naquele mesmo dia, Dallagnol chamou Nicolao Dino no Telegram e expôs a ele sua preferência e seu plano secreto. “Nicolaaaaaaooooo PARAÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉNSS. Não conta pra ng, mas vou pedir pros movimentos sociais fazerem campanha pra ser nomeado o primeiro da lista”. Dallagnol ainda perguntou se haveria “alguma reserva” à estratégia, mas Dino não se opôs. “Ok”, respondeu.

O procurador buscou novamente o grupo do Telegram com os colaboradores mais próximos do Mude. “Caros, Nicolao ganhou. Ele é a voz anticorrupção. é o primeiro da lista tríplice”, anunciou. “Sem mencionar minha sugestão, Vcs conseguiriam articular uma campanha para ser nomeado o primeiro da lista? Ele é o top. Essa campanha não tem legitimidade se sari da gente. Apenas se sair da sociedade”.