Brasil piora 7 posições em ranking mundial de corrupção e fica em 76º

O Brasil é o 76º colocado em ranking sobre a percepção de corrupção no mundo, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira (27) pela organização Transparência Internacional.O relatório anual da ONG Transparência Internacional estabelece uma classificação de 168 países em 2015, em uma escala de 0 a 100 pontos, que é liderada pela Dinamarca (92) como a nação menos corrupta.

Para estabelecer o índice, a Transparência Internacional ouve a opinião de especialistas de organizações como o Banco Mundial, o Banco Africano de Desenvolvimento ou a fundação alemã Berteslmann, entre outras.

Brasil

As economias emergentes continuam lutando para eliminar a corrupção, afirma o relatório anual da organização Transparência Internacional, que destacou o aumento da percepção da corrupção no Brasil após o escândalo da Petrobras.

“Não é surpreendente que o Brasil, afetado pelo maior escândalo de corrupção de sua história pelo caso Petrobras, tenha sido o país da América que mais caiu no índice este ano”, afirma a organização em um comunicado.

O Brasil aparece na posição 76, uma queda de sete postos no índice que inclui 168 países, liderado pela Dinamarca. Os países latino-americanos considerados menos corruptos, segundo o relatório, são Uruguai (21), Chile (23) e Costa Rica (40).

A ONG, que faz um estudo para examinar a percepção do fenômeno da corrupção, destacou que tanto na América Latina como em outras regiões foi registrado um avanço nas investigações e na punição contra pessoas que, apenas 12 meses antes, pareciam intocáveis.

O escândalo da Petrobras revelou um gigantesco esquema de corrupção, no qual um dos principais acusados é o tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), da presidente Dilma Rousseff.

Os protestos desestabilizaram o governo, à medida que a dimensão do problema era revelado, e importantes integrantes do PT estão presos, assim como grandes empresários do país.

Ao mesmo tempo, a diretora de investigações da Transparência Internacional, Robin Hodess, destacou o exemplo da Guatemala, onde o presidente Otto Pérez deixou o cargo pressionado pelos protestos contra as acusações de corrupção.

“Quando três membros do influente clã Rosenthal de Honduras foram acusados de lavagem de dinheiro e o presidente da Guatemala foi detido por supostamente ter aceitado subornos, mesmo as pessoas mais poderosas devem entender que não podem mais acreditar que o dinheiro e seus contatos as protegerão”, disse.

Para Hodess, as pessoas podem fazer a diferença. Ela disse que, a longo prazo, a ação dos cidadãos terá um impacto. A Guatemala aparece na posição 123 do ranking.

Países nórdicos na liderança

Três países nórdicos – Dinamarca, Finlândia e Suécia – aparecem entre os primeiros da lista, enquanto governo repressivos e países que sofrem conflitos armados estão entre os últimos da lista: Afeganistão, Coreia do Norte e Somália.

“Os países nas primeiras posições apresentam características comuns que são vitais: altos níveis de liberdade de imprensa; acesso a informação sobre orçamentos que permite à população saber de onde procede o dinheiro e como se gasta; altos níveis de integridade entre aqueles que ocupam cargos públicos”, afirma a organização.

Para a Transparência Internacional também é importante ter um Poder Judiciário forte, que não fala distinção entre ricos e pobres, e que tenha independência do governo.

Entre os países que registraram as quedas mais expressivas nos últimos quatro anos estão Líbia (161), Austrália (13), Brasil, Espanha (36) e Turquia (66). Do outro lado, os que mostraram mais avanços foram  Grécia (58), Senegal (61) e Reino Unido (10).

O país latino-americano na pior situação é a Venezuela, na posição 158, atrás de nações como Cuba (56), México (95) e Argentina (107). A organização elabora o Índice de Percepção da Corrupção (IPC) a partir das opiniões de especialistas sobre a corrupção no setor público.

O estudo avalia positivamente os mecanismos de governo aberto, por meio dos quais a população pode exigir que os governantes prestem contas, ao mesmo tempo que pune o suborno, a impunidade e a falta de respostas aos cidadãos.

A seguir uma seleção da lista de países com sua posição e pontos:

1. Dinamarca 91 pontos
2. Finlândia 90
3. Suécia 89
4. Nova Zelândia 88
5. Holanda 87
= Noruega 87
7. Suíça 86
8. Cingapura 85
9. Canadá 83
10. Alemanha 81
= Luxemburgo 81
= Reino Unido 81

(…)

16. Estados Unidos 76
(…)
18. Japão 75
(…)
21. Uruguai 74
22. Catar 71
23. Chile 70
= Estônia 70
= França 70

(…)

36. Espanha 58
(…)
40. Costa Rica 55
(…)
56. Cuba 47
(…)
58. Grécia 46
(…)
61. Itália 44
(…)
66. Turquia 42
(…)
72. El Salvador 39
= Panamá 39
(…)
76. Brasil 38
= Índia 38
(…)
83. China 37
= Colômbia 37
(…)
88. Peru 36
(…)
95. México 35
(…)
99. Bolívia 34
(…)
107. Argentina 32
= Equador 32
(…)
112. Honduras 31
(…)
119. Rússia 29
(…)
123. Guatemala 28
(…)
130. Nicarágua 27
= Paraguai 27
(…)
158. Haiti 17
= Guiné-Bissau 17
= Venezuela 17
161. Iraque 16
= Líbia 16
163. Angola 15
= Sudão do Sul 15
165. Sudão 12
166. Afeganistão 11
167. Coreia do Norte 8
= Somália 8