Bolsonaro limpará cargos de petistas do governo

Após cinco meses de governo, a presidência poderá começar a “limpar” os cargos de petistas que os “aparelham” desde os tempos de Lula e Dilma.

São militantes que trabalharam contra a candidatura de Jair Bolsonaro, são até suspeitos de sabotar a gestão, mas não largam as boquinhas.

Segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, são mais de 110 mil cargos de confiança e funções gratificadas. Ele disse que acabou o tempo de nomeações sem qualquer critério.

A dificuldade foi o critério inédito do presidente Bolsonaro de ocupar os cargos tecnicamente, sem indicações políticas, inclusive nos Estados.

A prioridade do governo foram os cargos de comando, de primeiro e segundo escalões, além de estatais, para depois preencher o restante.

Já foram mais os cargos de confiança e funções gratificadas. Após a extinção de 21 mil, ainda sobram 110 mil, em Brasília e nos Estados.

O candidato a cargos passará por um filtro (informações cadastrais) e depois submetido ao ministro e ao dirigente de estatal ou autarquia.