Bolsonaro diz que não é justo mais pobres receberem tratamento com cubanos

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse que não é justo destinar atendimento de médicos cubanos aos brasileiros mais pobres, isso porque, segundo ele, não há comprovação sobre a qualidade do atendimento. “Nunca vi uma autoridade no Brasil dizer que foi atendida por 1 médico cubano. Será que nós devemos destinar aos mais pobres ‘profissionais’ sem qualquer garantia de que eles sejam razoáveis profissionais no mínimo?”, disse.

As declarações foram dadas no Rio de Janeiro. “Não sou presidente ainda, mas, se fosse, exigiria isso. Um Revalida presencial”, disse.

O Revalida, prova para validar diplomas de médicos formados no exterior para atuarem no Brasil, já conta com prova presencial.

A participação no programa Mais Médicos, entretanto, dá autorização para estrangeiros atuarem no Brasil sem a avaliação. A comprovação da competência dos profissionais é garantida pela Opas (Organização Pan-Americana de Saúde).

Bolsonaro voltou a afirmar que os cubanos viviam em sistema de escravidão por receberem parcialmente o valor pago pelo Brasil. Parte era enviada ao governo cubano. “É uma situação de praticamente escravidão que estão sendo submetidos os médicos e as médicas cubanas no Brasil. Imaginou confiscar da senhora 70 por cento do seu salário?”, declarou.

Nesta 5ª feira (15.nov), Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, comparou a saída de médicos cubanos com o fim da escravidão.

Cuba decidiu romper sua participação no programa afirmando que Bolsonaro tem feito ameaças aos médicos e questionado a competência dos profissionais. O presidente eleito reiterou nesta 6ª feira sua promessa de asilo aos que quiserem ficar no país.