Apenas semialfabetizados enaltecem Carlos Marighella

As frases a seguir são de autoria Carlos Marighela, o novo queridinho da esquerda semialfabetizada. Pela ótica dele, a matança de policiais indiscriminada é aceitável. Sequestrar alguém que não tenha envolvimento político também faz parte da “ação política”. Sabotar a economia, a produção industrial, as comunicações e o transporte, causando mortes e afetando inocentes, são outros ensinamentos do “guerrilheiro que incendiou o mundo”.

“É necessário que todo guerrilheiro urbano tenha em mente que somente poderá sobreviver se está disposto a matar os policiais”

“O sequestro de personalidades que são artistas conhecidos, figuras do esporte ou que são grandiosos em algum campo, mas que não tem evidência de um interesse político, podem ser uma forma de propaganda”

“O objetivo da sabotagem é para doer, danificar, deixar sem uso e para destruir pontos vitais do inimigo assim como os seguintes: a. a economia de um país; b. a produção agrícola e industrial; c. sistemas de comunicação e transporte”

Prestem bem atenção: esta obra de Marighella é PÚBLICA. Ele fazia questão de externar isso. O assassinato de policiais, o sequestro de inocentes e a sabotagem da sociedade. Tudo com o intuito de promover o terror e a desestabilização social.

Pouco me importa se Marighella era branco, negro ou pardo. Ele era um infame e um canalha. O que mais me dói é ver pessoas que se julgam democratas tentando pintar esse calhorda como um exemplo.

“Atacando de coração esta falsa eleição e a chamada “solução política” tão apeladora aos oportunistas, o guerrilheiro urbano tem que se fazer mais agressivo e violento, girando em torno da sabotagem, do terrorismo, das expropriações, dos assaltos, dos sequestros, das execuções, etc”.

É esse o exemplo de ideal político? É esse tipo de situação que se quer para o país? É esse o personagem que protagoniza um filme pago com dinheiro público?