“Abortei e me arrependi”, grita mulher no plenário do STF

Quando tocou o sinal encerrando os trabalhos do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (30/3), o que se ouviu soou mais alto do que as habituais vozes que se calam durante a sessão: uma mulher, aos gritos, se dirigiu à “ministra” pedindo que ela “protegesse a vida”.

“Ministra, ministra! Deixe as criancinhas viverem! Eu fiz um aborto e me arrependi. Viva a vida!”, pediu a manifestante. Ela foi retirada do plenário pelos seguranças, que a seguraram até a saída da sede do tribunal.

Os ministros chegaram a olhar para a mulher, mas não se manifestaram. A segurança do STF informou que a manifestante passou pelo procedimento de registro normal para entrada no prédio. A identidade da mulher não foi revelada.

No momento do protesto, não foi possível identificar qual o alvo da manifestação. Poderia ser tanto à presidente, Cármen Lúcia, quanto a Rosa Weber – que relata a ADPF protocolada pelo PSOL, que pede a descriminalização do aborto até a 12ª semana. A presidente do STF é relatora de uma ação que discute a liberação do aborto em casos de mulher que tenha contraído o zika virus.

Autoria

Em vídeo postado nas redes sociais a ex-feminista e ativista “pró-vida” Sara Winter se identificou como a manifestante do plenário. De acordo com informações divulgadas no perfil de Winter numa rede social, ela “de maneira pacífica, estendeu um cartaz com dizeres a favor da vida, mas rapidamente foi retirada de maneira truculenta pelos seguranças”.

Consta ainda que “Sara passa bem e espera que a ministra repense sobre o valor da vida e reconsidere a pressão que tem feito ao presidente e ao Senado para que se posicionem com relação aborto”.

Nesta semana, Rosa Weber pediu que Planalto, Senado e Câmara se manifestem  sobre a ação do PSOL. A ministra também pede que PGR e AGU enviem parecer ao tribunal sobre o caso.

Fonte: Jota