A torcida da imprensa a favor de Lula: A cobertura dos protestos

A expressão “Fake News” passou a ser largamente utilizada por órgãos de imprensa como forma de atacar e desmerecer todos os fatos que não são propagados por eles. É uma situação inusitada pois justamente os grandes órgãos, no Brasil dependentes de verba pública e totalmente integrados aos crimes políticos, são os maiores mentirosos em se tratando de cobertura política. Só que não é apenas espalhando mentiras que eles agem: sua maior colaboração para ludibriar a população é esconder fatos importantes.

Em nossa série ‘Imprensa Golpista’ denunciamos muitos casos de manipulação, mas cabe agora retomar o ponto.  A caravana de Lula pelo Sul é um ótimo exemplo por ter como elementos de mau jornalismo a ocultação de informação e torcida de quem faz a cobertura. Não fossem as redes sociais não teríamos o clima real do que se passa nessas cidades pequenas.

Em passagem por uma das cidades, os ônibus de Lula foram alcançados por manifestantes e receberam ovadas deles. Nada disso impediu a continuidade do passeio e ninguém se feriu. É importante ressaltar também que jogar ovos é uma tradição na forma de populares se manifestarem contra políticos. Dito tudo isso, vejam a diferença de cobertura para o arremesso de ovos em Doria, prefeito paulistano odiado pelos jornalistas de esquerda, e a mesma situação envolvendo o Lula. As duas reportagens são do Estadão:

Contra Lula, fala-se em ataque e tenta-se identificar os agressores

Contra Doria, manifestação é tida como normal, não se fala em ataque e não há preocupação em indicar o agressor

O mesmo Ricardo Galhardo já havia feito outras reportagens enviesadas. Vejam outro trecho de reportagem publicada por ele no mesmo tema:

Jornalista do Estadão: sensibilidade incomum para cobrir a caravana de Lula.

Tem como se entristecer pela decadência das empresas de jornalismo?