Roseana lamenta que mais de 300 mil maranhenses tenham voltado à linha de pobreza

“Ao invés de estar avançando, o estado está retrocedendo”, assim a ex-governadora Roseana Sarney caracterizou a situação do Maranhão durante entrevista ao JMTV1. A ex-governadora foi a quarta entrevistada da série que conta com a participação dos principais candidatos ao governo do Maranhão nas eleições de 2018.

Em 2014 Roseana afirmou que não seria mais candidata. Ela foi instada a responder por que mudou de ideia. A candidata afirmou que estava distante da política nos últimos três anos e após pedidos da população decidiu rever sua decisão. “Comecei a percorrer este ano o Maranhão e as pessoas me perguntavam muito: por que você não é candidata novamente a governadora? Você que tem experiência?”.

A ex-governadora foi confrontada com dados recentes do IBGE que apontam mais 50% da população maranhense em situação de pobreza. O jornalista Sidney Pereira quis saber se ela também não se sentia responsável por esses números.

“Quando assumimos pela primeira vez o IDH era considerado de baixo desenvolvimento. Em 2010 passou a ser de médio desenvolvimento. Esses números mostram que sempre melhoramos. (…) Nos meu último governo tiramos da pobreza absoluta meio milhão de pessoas. Nos últimos anos voltaram para a pobreza 300 mil pessoas”.

Educação

Sobre a educação, ela lembrou de ações anteriores suas, como os mutirões da educação. A candidata também falou que deve buscar na tecnologia as saídas para levar mais educação para áreas mais distantes, a exemplo do telensino que já havia sido implantado antes.

Em relação ao fato de que apenas 15% das escolas do Maranhão possuem bibliotecas, a ex-governadora voltou a lembrar de realizações anteriores. “Nós construímos 110 faróis da educação. Eram bibliotecas nas escolas e nos bairros que serviam a comunidade em geral”.

Roseana também afirmou que, caso eleita, irá inserir cursos profissionalizantes de economia digital na grade do ensino médio.

Pedrinhas

O caos em Pedrinhas, acontecido em 2014, também foi abordado na Mirante. Roseana não negou a situação e lamentou o ocorrido. Ela lembrou que, infelizmente, várias rebeliões em presídios são aconteceram pelo Brasil. A ex-governadora elencou as medidas que tomou na época. “Enfrentamos o problema nomeando mais defensores públicos, mais agentes penitenciários. Chamamos o Ministério da Justiça e a Polícia Federal. Chamamos o Judiciário e fizemos um conselhão para nos ajudar desses problemas. A inciativa foi tão boa que hoje serve de exemplo para o Brasil todo. Hoje tem um conselho que funciona mais ou menos assim no Ministério da Justiça”.

Saúde

O problema de quem busca tratamento de hemodiálise e na saúde foram apresentados a Roseana. Ela reclamou da falta de recursos e explicou que seus governos anteriores ajudaram o Maranhão a sanear suas contas. A ex-governadora afirmou que o saneamento do estado ao longo dos anos possibilitou a postular mais recursos para a saúde. Roseana lembrou dos cerca de R$ 4 bilhões que foram conseguidos no penúltimo ano de governo. “Mas, nesse penúltimo ano deu para fazer uma programação que abrangeu todas as áreas. Caso dos hospitais de alta e média complexidade, dos hospitais de 20 leitos e dos centros de hemodiálise. Deixamos com terreno comprado, projeto feito e dinheiro em caixa para concluir. Não sei por que não foi concluído”.