Temor de nova paralisação faz governo federal revogar tabela com preços de fretes

O Ministério dos Transportes voltou atrás na noite desta quinta-feira (o7) e anunciou que determinou a revogação da nova tabela com os preços mínimos dos fretes no transporte terrestre, publicada no fim da tarde. A medida, foi uma ação desesperada do Governo Federal depois que os caminhoneiros reagiram negativamente aos novos valores definidos. O preço do frete seria reduzido em média em 20%.

O ministro Valter Casimiro esteve reunido com representantes da classe. “O Ministério dos Transportes e a ANTT decidiram tornar a resolução sem efeito para que amanhã (esta sexta-feira) as lideranças possam ir à agência discutir a questão e a metodologia da tabela para ser publicada novamente”, disse o ministro aos representantes.

O temor do Planalto, é porque os caminhoneiros já articulavam pelos grupos de WhatsApp uma nova paralisação a partir de segunda-feira, dia 11.

Portanto, essa resolução está revogada e a tabela antiga volta a valer até que a ANTT publique uma nova versão.

Na reunião, os caminhoneiros se queixaram de um ponto da resolução que exclui do tabelamento os veículos que precisam de Autorização Especial de Tráfego (AET). Nessa categoria, estão grandes caminhões de nove eixos usados pelo agronegócio. Esse ponto deverá ser suprimido da nova resolução.

A tabela do preço mínimo é considerada a grande vitória dos caminhoneiros e nenhum profissional da categoria está disposto a abrir mão dos benefícios prometidos pelo governo para interromper a greve.

A paralisação durou 11 dias e gerou uma crise no abastecimento em todo o país. O governo propôs aos caminhoneiros, além da tabela, a redução de R$ 0,46 no litro do óleo diesel e a isenção de pagamento de pedágios para os eixos suspensos.