Eleição acirra guerra entre PE e SP por controle do PSB

A definição sobre quem o PSB vai apoiar para presidente da República, com a desistência do ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa, passa por uma guerra de poder no partido. O PSB de Pernambuco privilegia uma aliança com o presidenciável do PT em troca da retirada da candidatura de Marília Arraes, que hoje faz sombra ao governador Paulo Câmara (PSB) na disputa pela reeleição. Se ela vencer, a ala pernambucana perde o controle da sigla para o grupo do governador paulista Márcio França, que está muito forte e defende o apoio ao tucano Geraldo Alckmin.

Estica e puxa

O senador Humberto Costa (PT-PE) escancarou o acordo. Na quarta-feira, defendeu da tribuna do Senado que Marília retirasse sua candidatura em prol da aliança com o PSB. O PT nacional interferiu e adiou a convenção local para o dia 10 de junho.

É guerra

Marília, que é vereadora, desembarcou em Brasília no mesmo dia para contornar o movimento. Ela avalia que vai superar o governador Paulo Câmara quando o eleitorado associá-la como a “candidata de Lula”. Por ora, ainda é a “neta do Arraes”.

O escolhido

Entre petistas é cada vez maior a aposta de que o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad vai substituir Lula na disputa ao Planalto. Fora do PT, há certeza.

Ficou claro?

A declaração do presidente Temer ao Broadcast Político de que acha difícil uma candidatura única de centro prosperar foi um recado para o presidente do MDB, Romero Jucá (RR). Interlocutores dizem que Temer pretendeu mostrar que é ele e não Jucá quem vai tratar de sucessão no partido.

Climão

Um dia antes, Jucá disse ao Estado que Temer não é mais candidato à reeleição e defendeu aliança do centro. Quem aposta na reeleição do presidente já tem até o mote da sua campanha: “Apesar de tudo, sou Temer”.

Outsider

DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade ainda não descartam um nome novo na disputa presidencial. Uma opção é o empresário Josué Gomes (PR). A única certeza hoje é que DEM e PP vão caminhar juntos. Quem levar o apoio de um ganha o do outro.

É público

Relator da nova lei de licitações, o deputado João Arruda (MDB-PR) vai propor a criação de um portal com a lista de todos os produtos e serviços necessários para a União, Estados e municípios. E também das firmas inadimplentes, com dívidas na Receita e envolvidas em corrupção.

Big Brother

O relator também quer obrigar as empresas que realizarem obras públicas a instalar câmeras que mostrem aos órgãos de controle a execução dos projetos ao vivo. A proposta avança no que foi aprovado pelo Senado.