Deputados condenam desprezo de Flávio Dino por áreas inundadas

Andrea cobrou do comitê de enchentes.

s deputados estaduais Eduardo Braide (PMN) e Andrea Murad (PRP) criticaram nesta quarta-feira, 11, a postura do governador Flávio Dino (PCdoB) diante das inundações causadas pelas chuvas em vários municípios.

Ontem, quando as enchentes faziam estragos no interior, Dino estava em Curitiba, fazendo “sala” para o ex-presidente Lula, em Curitiba.

“Enquanto o Maranhão está agonizando, sofrendo com as inundações e enchentes, ele estava lá querendo aparecer na mídia nacional, barrado tentando visitar Lula em Curitiba. Nada contra, desde que ele cumprisse seu papel de governador e olhasse pelos maranhenses primeiro, que estão aqui numa crise seríssima, que estão penando, sem casas, com suas vidas devastadas. Ao invés de ficar só em postagem em rede social para dizer que está trabalhando, devia era dizer o que o comitê de prevenção e acompanhamento de inundações, criado por ele em março de 2016, fez nesses dois anos para prevenir e amenizar esse caos que hoje assistimos nos municípios maranhenses. Tem que largar de blá blá blá em rede social, levantar da cadeira e ir olhar de perto a situação. Esse é o papel de um governador”, discursou Andrea Murad.

Braide exibiu o documento de criação do comitê.

Eduardo Braide, por sua vez, lembrou da criação do Comitê de Prevenção e Acompanhamento de Inundações, criado em 2016, mas sem qualquer resposta efetiva até hoje.

“O Decreto assinado pelo governador é claro. Desde 2016, o Maranhão deveria ter um plano de contingência e o mapeamento das áreas de risco atualizados, justamente para evitar que centenas de maranhenses fiquem desabrigados sem ter a quem recorrer ou para onde ir. É óbvio que não se pode ter controle sobre as ações da natureza. Contudo, é de responsabilidade do Governo do Estado proteger, amparar os maranhenses que enfrentem essas situações. E olha que há cidades que historicamente passam pela mesma situação todos os anos”,afirmou Eduardo Braide ao mostrar fotos das cidades alagadas.

Os dois parlamentares anunciaram que vão cobrar respostas do governo sobre as ações do comitê.