A BBB Mara Telles é o exemplo da decadência nas universidades do Brasil

O comportamento da BBB Mara Telles, aos 55 anos, no Big Brother Brasil mostra bem o que podemos esperar da intelligentsia formada nas universidades do país. Uma “cientista política” e “professora universitária” que se comportou como uma doidivanas.

Poderia ter usado seus últimos segundos de fama para zelar por coisas nobres. Poderia ter pedido pelas crianças, por mais honestidade no país, exigir mais respeito pelas pessoas, menos preconceito… Como cientista política, poderia ter usado a audiência e o título para pedir mais consciência nas eleições deste ano.

Ao invés disso, de fazer o que se espera de um adulto com nível superior responsável pela educação de centenas de jovens, agiu como uma dos jovens que deveria educar, gritou “Fora Temer” e encerrou com chave de ouro acusando um outro participante de ser machista. Por que machista? Porque o paredão tinha duas mulheres.

Os últimos minutos de participação dessa senhora no programa apresentado por Tiago Leifert mostram MUITO o nível subterrâneo do que se produz, NA MAIORIA DAS VEZES, em nossas universidades.

Também fez valer o ditado popular “quem não sabe ensina”. Cientista política e autora de livros que tratam, entre outras coisas, de eleições, foi a primeira a ser eliminada.

55 anos, cientista política, professora universitária e autora de livros. Tudo o que Mara fez no BBB de relevante (?) foi gritar “Fora Temer” e acusar alguém de machismo.

Lembrei da deputada Cristiane Brasil defendendo sua indicação para o Ministério do Trabalho em uma lancha ladeada de homens seminus ao som de música eletrônica. Duas figuras grotescas e nada mais.