Ministro do STF diz que “A Força do Querer” glamouriza o crime organizado

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes disse nesta sexta-feira (20) que a novela “A Força do Querer”, da TV Globo, glamouriza o crime organizado. O juiz deu a declaração durante uma palestra concedida na Escola Paulista da Magistratura (EPM) em São Paulo na sexta-feira (20).

O tema do seminário era o papel do poder Judiciário no combate ao crime organizado. O juiz já falava por mais de uma hora e meia quando se confessou um noveleiro, apesar de não conseguir acompanhar as últimas produções com regularidade. “A última que tive oportunidade de ver foi ‘Avenida Brasil.’ Até pedia para a minha mulher gravar”, afirmou.

Moraes então declarou que deve assistir nesta noite ao último capítulo da atual novela das 21h, “A Força do Querer”. O ministro, no entanto, reclamou que o tratamento dado à personagem Bibi Perigosa, interpretada por Juliana Paes, representa apologia ao crime.

Ministro Alexandre de Moraes

“Mostra aqueles bailes funk, fuzil na mão, colarzão de ouro, mulheres fazendo fila para os líderes do tráfico, só alegria. Aí mostra a Bibi, que se regenerou, ela tentando procurar emprego e não conseguindo. Qual é a ideia que é dada? Que é melhor você não largar. Enquanto você não larga, você tá na boa. É uma valorização. Aí podem dizer que essa é a realidade. Mas tá passando isso de uma forma glamorizada”, disse.

 

O ministro prosseguiu dizendo que não há bondade no crime organizado. “O líder do tráfico não é o benfeitor, que substituiu o Estado e dá as boas condições de vida. Ele fala: ‘ou você faz o que eu quero, ou você vai morrer’. É assim que funciona. Não é essa beleza, não”, disse Moraes ao citar o personagem Rubinho, interpretado por Emílio Dantas.

Alexandre de Moraes afirmou ainda que 77% das mulheres detidas atualmente no Brasil respondem por tráfico de drogas e, em muitos casos, teriam sido presas por contraírem compromissos relacionados aos cônjuges junto ao crime organizado.

As declarações do ministro causaram diversas reações na redes sociais, quando muitos internautas o acusaram juntamente com o supremo de ser conivente com os crimes de políticos do País e que o Congresso Nacional era a maior facção criminosa do Brasil.

O ministro chegou a “bater boca” nas redes sociais se defendendo das acusações, na madrugada do domingo, 22.

A confusão teve início quando o magistrado usou seu perfil para xingar o jornalista Josias de Souza, a quem chamou de ignorante e acusou de fazer apologia ao tráfico, após o profissional escrever uma coluna em que critica Moraes.

Foi o suficiente para diversos internautas atacarem o ministro, que não gostou da confusão e mandou que um deles “vá trabalhar”, entre outros impropérios.