A falácia da organização do trânsito em São Luís

Moradores protestam contra intervenções que alteraram o trânsito

A avenida General Arthur Carvalho sofreu grandes alterações no trânsito semanas atrás. De acordo com a Secretaria de Trânsito e Transportes (SMTT), as intervenções na região ajudam na fluidez do trânsito. A população reclama que as alterações dificultou a rotina.

Entre a disputa travada por moradores e prefeitura está a completa falta de planejamento e ingerência no trânsito de São Luís.

Como resposta às reclamações, a SMTT afirmou que a obra tem como função melhorar o trânsito e que age de forma impessoal nas mudanças. Bem, isso não é verdade.

Meses atrás uma intervenção semelhante foi realizada na Rua do Aririzal. Após grande manifestação dos moradores, a Prefeitura voltou atrás e desfez a intervenção.

O fato é que existem dezenas de pontos no trânsito de São Luís que reiteram a completa perdição da Prefeitura de São Luís na gestão do trânsito.

Se tivesse a mesma firmeza em outros pontos como teve na avenida General Arthur Carvalho, é bem provável que o trânsito de São Luís fosse muito melhor.

Na avenida Professor Carlo Cunha, que recentemente foi alvo de uma grande intervenção da Prefeitura, talvez seja uma das mais problemáticas da cidade. Apesar disso, o trecho na frente do Fórum possui nada mais nada menos do que DOIS RETORNOS à esquerda em uma espaço inferior a 300 metros. Detalhe: os dois estão no mesmo sentido e distantes poucos metros de um elevado que poderia cumprir a função dos dois perfeitamente.

Na avenida Daniel de La Touche existe um retorno, também à esquerda, poucos metros antes da rotatória.

E o que dizer da confusão no Ipase causada com as intervenções para facilitar a entrada no Shopping da Ilha?

O fato é que em todos estes casos, e em vários outros pela cidade, é inexistente a dureza e a garantia da “fluidez” como fazem na General Arthur Carvalho.

Os moradores da região podem andar longas distâncias para pegar ônibus nos novos pontos, mas os juízes, desembargadores e advogados que frequentam o Fórum Desembargador Sarney Costa não podem percorrer 400 metros em seus carros luxuosos para fazer um retorno.

As pessoas que moram na avenida General Arthur Carvalho não podem mais contar com a comodidade da falta de rigidez da qual desfrutam lojistas e clientes do Shopping da Ilha.

E por que essa falta de critério no trânsito da cidade? Quem sabe perguntando no posto de gasolina que, teoricamente, o único beneficiado pelo retorno localizado bem na sua frente e distante poucos metros de uma rotatória.