Polícia Federal prende duas servidores do INCRA por corrupção

Duas servidoras do Incra foram presas pela Polícia Federal na tarde desta terça-feira (22) pelo crime de corrupção, que cobrava propina para a regularização de assentamentos rurais, em parceria com o líder do MST na capital federal e o presidente da federação de trabalhadores da agricultura, de acordo com o site O Antagonista.

A prisão foi resultado de ação controlada deferida pela 10ª. Vara da Justiça Federal no DF. Os policiais federais destacados para a ação, além de cumprirem um mandado de prisão preventiva contra uma servidora, também prenderam outra funcionária do Instituto em flagrante. As duas haviam acabado de receber R$ 12 mil para emitir parecer favorável no caso de um lote no assentamento Mimoso, em Arinos (MG).

Após as prisões, os policiais federais cumpriram também dois mandados de busca e apreensão, um no local de trabalho e outro na residência de uma das presas. Uma delas era assistente de administração do Incra e tinha a atribuição de emitir pareceres para a regularização de lotes destinados à Reforma Agrária. Toda a ação foi documentada em vídeo pela PF, inclusive com o registro da numeração das cédulas.

Uma das servidoras era investigada desde o ano de 2015 sob a suspeita de solicitar propina no valor de R$ 15 mil para a regularização de um lote.