‘Eu mataria todos os infiéis’, disse islâmico do ataque em Barcelona

Não adianta fecharmos os olhos em nome de um políticamente correto que a cada dia vem fazendo mais vítimas por meio de uma religião fabricante de terroristas, porque o seu livro sagrado e o seu profeta manda que infiéis devam morrer, mesmo se os seus seguidores forem acolhidos por países que lhes recebem de bom grado.

Os considerados islâmicos moderados, não tem coragem de fazer atrocidades, mas concordam com os que fazem porque está escrito no Alcorão.

O jovem de 17 anos que está sendo procurado após o atentado em Barcelona era extremista apesar da pouca idade. Moussa Oukabir, de origem marroquina, não tinha antecedentes criminais e vivia com seu pais em Ripoll, na província de Girona há anos. O Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado.

Apontado como suspeito do atentado, que deixou 14 mortos e 130 feridos, por ter o nome registrado no aluguel do veículo que atropelou a multidão, Driss Oukabir, o irmão mais velho de Moussa, se entregou à polícia e alegou inocência. Ele acredita que o irmão mais novo roubou seus documentos e se passou por ele.

Ele é suspeito de integrar uma célula terrorista de 12 integrantes que planejavam um ataque muito maior — quatro deles já foram presos pela polícia. Outros cinco foram mortos por agentes em um ataque frustrado horas depois do atropelamento, em Cambrils.

O adolescente que usava o nome de Moussa Street Boy nas redes sociais há dois anos publicou uma mensagens que já demonstravam as suas reais itenções. A uma pergunta sobre o que ele faria se fosse um rei absoluto por um dia, o menino respondeu:

Mataria todos os infiéis e somente deixaria os muçulmanos que sigam a religião”.

Moussa tinha só 15 anos quando disse isso. Na mesma rede social, um internauta perguntou ao jovem onde ele nunca moraria e ele afirmou “no Vaticano”.

COMO OS JOVENS SÃO RADICALIZADOS AO EXTREMISMO?

Segundo um líder muçulmano precisam apenas de dois ou três sermões. Veja no vídeo!

Já se tornou corriqueiro atentados terroristas na Europa, sem falar do número crescente de violência e estupro que a mídia tenta esconder em nome do politicamente correto e alegação de xenofobia, mas que felizmente a internet está aí para mostrar a cruel realidade da barbárie islâmica na europa.

Fechar os olhos para esta realidade é condenar o povo ao genocídio e a morte cultural dos países que estão recebendo aos milhares e milhões todos os anos. Um povo que não se adapta a cultura ocidental, embasada no cristianismo, e que deseja a morte dos infiéis, trazendo consigo a violência, morte e atraso aonde se instalam. A começar com a desvalorização das mulheres, força de trabalho, economia e crescimento do Ocidente. Um retrocesso das conquistas femininas ao longo do tempo!

Até quando vamos fingir que somos monstros se não recebermos islâmicos e deixar com eles façam o que querem em nome de sua religião?

Por que a mídia ataca tantos ao cristianismo, um dos pilares de evolução e prosperidade do Ocidente, e protege tanto a terroristas?

A lista dos países das vítimas inclui: Alemanha, Argélia, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Marrocos, Canadá, China, Colômbia, Romênia, Venezuela, Cuba, Equador, Egito, Espanha, Estados Unidos, Filipinas, França, Reino Unido, Grécia, Holanda, Taiwan, Honduras, Hungria, Irlanda, Itália, Kuwait, Macedônia, Mauritânia, Paquistão, Peru, República Dominicana e Turquia.